Cara de um, focinho do outro

Eu ainda era bem pequena quando minha mãe, ao me olhar brincando, reparou que ao me apoiar sobre meus braços, eles ficavam “tortinhos”. Somando isso aos primeiros traços de minha personalidade que começavam a despontar, ela exclamou: “até isso é sangue Almeida!”. “Almeida” vem de meu pai e durante anos seguintes e até hoje escuto … Continue lendo Cara de um, focinho do outro

Publicidade